As previsões da literatura que viraram realidade

Muita gente se surpreende com a criatividade de alguns escritores quando o assunto é o futuro do planeta. Existem os que acham que os autores exageram. Acontece que alguns dos exercícios de futurologia mais excêntricos da literatura acabam acertando no alvo (ou perto dele). E quando isso acontece, o resultado é uma legião de leitores boquiabertos se perguntando: “como é que ele sabia?” Confira alguns exemplos.

 

obama

Stand on Zanzibar, de John Brunner
Um dos livros mais proféticos de Brunner, Stand on Zanzibar é raro e nunca foi publicado no Brasil. A obra foi publicada em 1969, mas a história se passa no “distante futuro” de 2010. Os EUA são governados pelo presidente Obomi (!), e o país sofre com ataques terroristas e tiroteios em escolas. A cidade de Detroit está abandonada e a maconha foi descriminalizada. Carros elétricos são comuns nas ruas e uma invenção chamada Direct TV exibe a programação favorita do cliente. Nos escritórios, todas impressoras funcionam a laser. Assombroso.

 

carta%cc%83o
Daqui a cem anos, de Edward Bellamy
Publicado em 1887, o livro usa uma linguagem seca para descrever uma utopia futurista americana. Uma das invenções sugeridas é um cartão com uma determinada quantidade de crédito que os cidadãos podem usar para fazer compras. Todos as pessoas recebem a mesma quantidade de crédito no começo, mas aqueles com profissões mais perigosas ou desagradáveis receberiam mais crédito. Ou seja, numa só cartada, Bellamy previu o cartão de débito, o bolsa-família e o auxílio insalubridade. Palmas para ele.

 

 

tablet

2001: Uma odisseia no espaço, de Arthur C. Clarke
Você já viu o filme e – com certeza – ouviu a música tema. Mas já parou para pensar nas inovações previstas no livro? Clarke imaginou as notícias chegando instantaneamente em dispositivos onde poderíamos ler sobre os últimos acontecimentos.

“Um a um, ele invocaria os principais jornais eletrônicos do mundo… ele leria a página de capa procurando rapidamente as manchetes que mais lhe interessavam.” Se isso não é um tablet, o que seria?
E o programa de computador que responde as perguntas do usuário? Pois é. Hal é praticamente o avô da Siri.

 

fone

Fahrenheit 451, de Ray Bradbury
Bradbury não previu só tragédia em seu livro clássico. Ele também imaginou algo como a realidade virtual que está chegando aos consoles de vídeo game no ano que vem. Foi neste livro que ele previu uma das traquitanas mais adoradas por usuários de transporte público e frequentadores de academia: o fone de ouvido: “Pequenas conchinhas, como rádios do tamanho de dedais”, descreveria o profeta.

 

titanic

Futilidade ou o naufrágio do Titan, de Morgan Robertson
Agora nós saímos da futurologia e entramos no universo das semelhanças inexplicáveis – e arrepiantes. Em 1898, Morgan Robertson escreveu sobre a viagem de um navio fictício chamado Titan, que acaba colidindo com um iceberg e afunda. “Ah, inspirado no Titanic, claro”, pensaria você. Só que o Titanic não seria inaugurado – e afundado – até 1912. As semelhanças não param por aí:

– O Titanic media 268 metros e pesava 53 mil toneladas e era considerado praticamente impossível de afundar. O Titan tinha 243 metros de comprimento e 75 mil toneladas de peso e era descrito como impossível de afundar.

– Viajando em alta velocidade, o Titanic bateu num iceberg a estibordo na noite de 14 de abril de 1912, no Atlântico Norte, a 740 km de Newfoundland. Viajando em alta velocidade, o Titan também bateu num iceberg a estibordo em uma noite de abril, no Atlântico Norte, a 740 km de Newfoundland.

– O Titanic afundou matando metade dos seus 2200 passageiros. O Titan afundou matando metade dos seus 2500 passageiros.

 

man-on-the-moon
Da Terra à Lua, de Júlio Verne
Em 1865, Julio Verne descreveu a primeira missão tripulada à Lua com impressionante exatidão. 104 antes da realização.

Tanto no livro como na vida real, os Estados Unidos lançam o primeiro veículo tripulado destinado ao solo lunar. O tamanho e formato são muito próximos nas naves do livro e da vida real e ambos transportam três passageiros. Ambas as missões terminam num pouso no Oceano Pacífico. Mais estranho ainda: Verne previu que os viajantes espaciais sentiriam “ausência de peso” na Lua. A nave de Verne, a “Columbiad”, chegou ao satélite natural da Terra 106 anos antes que os astronautas de “Columbia”, o módulo de comando da Apollo 11, lançado em 16 de julho de 1969.

Qual previsão literária você gostaria que se tornasse realidade? Deixe sua opinião nos comentários.

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s